sexta-feira, 20 de julho de 2012

Não há traição no amor.



Não há traição no amor. O que há é a mudança do objeto para o qual dirigimos nosso afeto. Esta é a razão que faz a FIDELIDADE não estar condicionada a esse sentimento, mas a um possível acordo, tácito ou expresso, que firmamos com o outro.
A traição não diz respeito ao sentimento, mas ao pacto que estabelecemos, ou não, com o propósito de organizar a relação entre as pessoas.
.
Logo, não há “corno” no amor. No máximo, estamos mal informados a respeito das preferências da pessoa com quem nos relacionamos.
Por outro lado, nada impede que, por ignorância ou exercício do poder, esganemos o outro para impedir que ele exerça aquilo que a tradição do “Amor romântico” tornou incompatível com a vida em comum: A LIBERDADE.  

7 comentários:

  1. Sob a perspectiva do cristianismo bíblico, tal assertiva é peremptoriamente falsa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A sua assertiva é um bom exemplo da flagrante diferença que existe entre a Religião e a Filosofia. O cristão confia na Bíblia e não reflete sobre os seus postulados, sejam anacrônicos, ilógicos ou ingênuos. O filósofo, ao revés, não diviniza coisa alguma, logo reflete sobre qualquer coisa, da dor de dente à morte.

      Excluir
  2. Dor de corno é tema filosófico na medida que é produto da ação humana. Logo, vc está justificando que traiu ou aceitando o par de chifres que levou. Rárárá...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. “Corno” é um conceito que somente faz sentido para quem a fidelidade é um valor. Disse no texto que entendo como traição a quebra de um acordo que fazemos com o outro, não a simples relação sexual com outros parceiros. No meu caso, não me incomodo se a minha esposa, namorada, etc. tenha outros parceiros; nem possuo restrições morais ou psicológicas de também ter outras parceiras. Mas posso ser fiel sexual e conjugalmente. A monogamia deve ser fruto da escolha humana, jamais uma imposição moral ou política da sociedade. Concordo plenamente com a psicanalista Regina Navarro Lins quando ela diz que a inclusão de outras pessoas na relação pode quebrar a monotonia a que todas estão fadadas. Não há verdades prévias no campo amoroso. Tudo deve ser fruto de um acordo entre as partes interessadas. Como diz o poeta Cazuza: “O nosso amor a gente inventa”.
      Um abraço!

      Excluir
  3. Estou aqui denovo comentando,por que adoro esse blog,bom demais,muito bom msm!!!!!!me recomendaram e até hj acompanho,mais ai queria tirar uma duvida sera que esse site é bom http://detetive-particular.com to precisando de fazer uma investigação hehe ? se alguem souber me falar,e continue com mais post!! fuuuuuuuuui

    ResponderExcluir
  4. Felipe, acho que se vc esteja desconfiando de que a sua namorada esteja te chifrando, bota ela no lixo e procura outra... simples...

    ResponderExcluir
  5. loucos liberdade e não liberdade e há sim traição no amor.

    ResponderExcluir