quinta-feira, 12 de julho de 2012

Militar é incompetente demais! (Millôr Fernandes)


Militar é incompetente demais!!! Militares, nunca mais!

Ainda bem que hoje tudo é diferente, temos um PT sério, honesto e progressista. Cresce o grupo que não quer mais ver militares no poder, pelas razões abaixo.

Militar no poder, nunca mais. Só fizeram lambanças. Tiraram o cenário bucólico que havia na Via Dutra de uma só pista, que foi duplicada e recebeu melhorias; acabaram aí com as emoções das curvas mal construídas e os solavancos estimulantes provocados pelos buracos na pista.

Não satisfeitos, fizeram o mesmo com a rodovia Rio-Juiz de Fora. Com a construção da ponte Rio-Niterói, acabaram com o sonho de crescimento da pequena Magé, cidade nos fundos da Baía de Guanabara, que era caminho obrigatório dos que iam de um lado ao outro e não queriam sofrer na espera da barcaça que levava meia dúzia de carros.

Criaram esse maldito do Proálcool, com o medo infundado de que o petróleo vai acabar um dia. Para apressar logo o fim do chamado "ouro negro", deram um impulso gigantesco à Petrobras, que passou a extrair petróleo 10 vezes mais (de 75 mil barris diários, passou a produzir 750 mil); sem contar o fedor de bêbado que os carros passaram a ter com o uso do álcool.

Enfiaram o Brasil numa disputa estressante, levando-o da posição de 45ª economia do mundo para a posição de 8ª, trazendo com isso uma nociva onda de inveja mundial. Tiraram o sossego da vida ociosa de 13 milhões de brasileiros, que, com a gigantesca oferta de emprego, ficaram sem a desculpa do "estou desempregado".

Em 1971, no governo militar, o Brasil alcançou a posição de segundo maior construtor de navios no mundo. Uma desgraça completa. Com gigantesca oferta de empregos, baixaram consideravelmente os índices de roubos e assaltos. Sem aquela emoção de estar na iminência de sofrer um assalto, os nossos passeios perderem completamente a graça.

Alteraram profundamente a topografia do território brasileiro com a construção de hidrelétricas gigantescas (Tucuruí, Ilha Solteira, Jupiá e Itaipu), o que obrigou as nossas crianças a aprenderem sobre essas bobagens de nomes esquisitos. O Brasil, que antes vivia o romantismo do jantar à luz de velas ou de lamparinas, teve que tolerar a instalação de milhares de torres de alta tensão espalhadas pelo seu território, para levar energia elétrica a quem nunca precisou disso. Implementaram os metrôs de São Paulo, Rio, Belo Horizonte, Recife e Fortaleza, deixando tudo pronto para atazanar a vida dos cidadãos e o trânsito nestas cidades.

Esses militares baniram do Brasil pessoas bem intencionadas, que queriam implantar aqui um regime político que fazia a felicidade dos russos, cubanos e chineses, em cujos países as pessoas se reuniam em fila nas ruas apenas para bater-papo, e ninguém pensava em sair a passeio para nenhum outro país.

Foram demasiadamente rigorosos com os simpatizantes daqueles regimes, só porque soltaram uma "bombinha de São João" no aeroporto de Guararapes, onde alguns inocentes morreram de susto apenas. Os militares são muito estressados. Fazem tempestade em copo d'água só por causa de alguns assaltos a bancos, sequestros de diplomatas... ninharias que qualquer delegado de polícia resolve.

Tiraram-nos o interesse pela Política, vez que os deputados e senadores daquela época não nos brindavam com esses deliciosos escândalos que fazem a alegria da gente hoje. Os de hoje é que são bons e honestos. Cadê os Impostos de hoje, isto eles não fizeram! Para piorar a coisa, ainda criaram o MOBRAL, que ensinou milhões a ler e escrever, aumentando mais ainda o poder desses empregados contra os seus patrões. Nem o homem do campo escapou, porque criaram para ele o FUNRURAL, tirando do pobre coitado a doce preocupação que ele tinha com o seu futuro. Era tão bom imaginar-se velhinho, pedindo esmolas para sobreviver.

Outras desgraças criadas pelos militares: Trouxeram a TV a cores para as nossas casas, pelas mãos e burrice de um Oficial do Exército, formado pelo Instituto Militar de Engenharia, que inventou o sistema PAL-M. Criaram ainda a EMBRATEL; TELEBRÁS; ANGRA I e II; INPS, IAPAS, DATAPREV, LBA, FUNABEM.

Tudo isso e muito mais os militares fizeram em 22 anos de governo. Pensa!! Depois que entregaram o governo aos civis, estes, nos vinte anos seguintes, não fizeram nem 10% dos estragos que os militares fizeram. Graças a Deus! Ainda bem que os militares não continuaram no poder!! Tem muito mais coisas horrorosas que eles, os militares, criaram, mas o que está escrito acima é o bastante para dizermos: "Militar no poder, nunca mais!!!", exceto os domesticados.

Ainda bem que hoje estão assumindo o poder pessoas compromissadas com os interesses do Povo. Militares jamais! Os políticos de hoje pensam apenas em ajudar as pessoas e foram injustamente prejudicadas quando enfrentavam os militares com armas às escondidas com bandeiras de socialismo. Os países socialistas são exemplos a todos.

ALÉM DISSO, NENHUM DESSES MILITARES CONSEGUIU FICAR RICO.

ÊTA INCOMPETÊNCIA!!!

Millôr Fernandes

7 comentários:

  1. Que saudade me dá,do bate papo do disse me disse,ai que saudade me dá.....Ei vamos embora esperar não é saber quem sabe faz a hora não espera acontecer...
    NÃO HÁ BEM QUE SEMPRE DURE NEM MAL QUE NUNCA SE ACABE...ESPERAR,ESPERAR UM DIA HÁ DE MUDAR,QUEM SABE ATE RETORNAR.....

    ResponderExcluir
  2. para seu blog...a corrupção nao é só no IFPA...esta alastrada por todos os cantos, principalmente se há um PETISTA no meio!!



    R$ 13,6 MILHÕES

    MPF ajuiza ação civil pública contra ex-Superintendentes da sede em Marabá

    O Ministério Público Federal ajuizou ontem três ações civis públicas contra os ex-superintendentes do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), de Marabá, a atual deputada estadual Bernardete Ten Caten (PT) e Raimundo de Oliveira Filho. Eles são apontados como responsáveis pelo desvio de um total de R$ 13,6 milhões em recursos destinados à construção e reforma de moradias em assentamentos do sudeste do Estado.

    O caso tramita na Justiça Federal. Além de Ten Caten e Oliveira Filho, os ex-superintendentes substitutos Ernesto Rodrigues e Jandir Mella, servidores do Incra responsáveis pelo setor de créditos e outros agentes públicos, associações de assentados, construtoras e seus dirigentes também são acusados de participar do esquema de desvio de recursos.

    Se forem condenados, os acusados ficam sujeitos à devolução dos valores inaplicados e desviados ilegalmente, perda da função pública, suspensão dos direitos políticos, pagamento de multa e proibição de contratar com o poder público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, além do pagamento de dano moral em razão da violação a princípios da administração pública e do prejuízo à sociedade e aos assentados que tiveram seu direito fundamental à moradia violado.

    As ações foram propostas pelos procuradores da República Tiago Modesto Rabelo e André Casagrande Raupp com base em denúncias feitas pelo próprio Incra de Marabá, que, em 2010, realizou auditoria e identificou irregularidades no setor de créditos.

    O grupo de trabalho do Incra e também o MPF analisaram todos os procedimentos administrativos referentes a liberações de recursos para aquisição de materiais de construção e para recuperação de moradias construídas nos projetos de assentamentos.

    Os resultados foram alarmantes. No assentamento Rio da Esquerda, por exemplo, o MPF verificou que, especialmente entre 2006 e 2008, foram efetivamente desbloqueados valores para construção de 948 casas acima da própria capacidade de moradia do assentamento. Além disso, os relatórios mostram que dos 2.057 projetos de construção de casas aprovados ilegalmente, foram efetivamente construídas apenas 511 moradias. Das 774 reformas em habitações autorizadas pelo Incra entre os anos de 2007 e 2011, apenas 23 foram efetivamente realizadas.

    No projeto de assentamento Juruna, as irregularidades se repetem. Das 316 casas que tiveram recursos liberados, apenas 176 foram construídas. Destas, apenas 133 eram para clientes da reforma agrária. Foram feitas também sete reformas em habitações, embora tenham sido liberados créditos para a reforma de 72 moradias entre 2006 e 2010.

    A ação aponta, ainda, que foram liberados créditos para a construção de 316 casas, mas o assentamento pode atender um máximo de 222 famílias. Ou seja: foram liberados recursos para a construção de 94 casas acima da capacidade do assentamento.

    Já no assentamento Laranjeiras, que tem capacidade para 145 famílias, foram liberados recursos para 200 casas, 55 casas acima da capacidade do assentamento, e foram construídas apenas 133 moradias.



    Para ver a matéria completa assine O Liberal Digital.

    ResponderExcluir
  3. Luiz Mário de Melo e Silva12 de julho de 2012 12:09

    Enquanto prevalecer o capitalismo a História não será diferente. Aliás, o petismo e o lulismo colocam em prática muitos dos projetos dos militares. Sobretudo a tortura, que o fazem via corrupção...

    ResponderExcluir
  4. Wolgrand, desculpe pstar um pensamento meu referente ao Rei do Carimbó, Pinduca, lí um matéria onde o ivanildo pontes lamenta a polícia militar não dar valor ao seu filho ilustre, pois sempre não lembram dele que foi reformado como 2º TEN PM, agora a minha indignação, EU NUNCA VÍ, PRESENCIEI, ESCUTEI esse grande CANTOR sequer mencionar o nome da nossa briosa Policia de Fontoura em seus shows ou em qualquer que seja entrevista, nos preocupamos com quem não se preocupa com a gente, temos que nos preocupar com o Soldado que monta uma escala de 12 X 24 e 12 X 48 nas viaturas. Desculpe o desabafo, não tenho nada contra esse cantor, só acho que temos que dar a Cesar o que é de Cesar, ok Sr. Ivanildo traira?

    ResponderExcluir
  5. Anônimo das 18:24 do dia 12/jul.
    Comungo em genero numero e grau com o agora postado por você,e,sou testemunha viva disso e muito mais.Diria inclusive que a Policia nada deve a ele,pelo contrario,ele,e,muitos proximos a ele utilizaram-se da policia como suporte em todos os sentidos para o crescimento de suas carreiras de musicos.Basta observar que exercitava muito mais sua condição externa de musico do que a dentro da instituição,fato que se avolumou a medida em que ia conseguindo notoriedade,entretanto,não resta duvida que nada disso teria sido possivel se a qualificação como musico não lhe fosse inerente,e,se realmente não fosse o rei do carimbó .O resto é só lari lari de promoção individual,aqui e acola,e,somente quando acionado fala na mãe policia,aquela que alimentou todos nós,principalmente no começo de carreira.

    ResponderExcluir
  6. Em questão como disse Millor Fernandes, há algum militar abastado de riquezas oriunda de lavagem de dinheiro, desvio de recursos públicos, em suma bandido travestido de bom político? NÃO, mas depois que eles entregaram a pátria a essas AVES DE RAPINA e está...

    ResponderExcluir
  7. A escala como esta contempla uma jornada semanal de 48hs bem proxima a clt no mundo civil, nos faltam outras garantias e nossos representantes podem começar solicitantando o pgto do tempo integral e dedicaçao exclusiva, ou grat de produtividade nas unidades operacionais, aumento do extraordinario, grat de qualificação profissional para cb e sd, o trienio para militar e outras mais. Escala amigo é conversa pra boi dormir, folga não compra comida, educação e conforto.

    ResponderExcluir