terça-feira, 8 de abril de 2014

395%: um super aumento ou uma super mentira? (Ou: “A Plutocracia fardada”)

A questão não é administrativa ou política, mas matemática. Se é verdade que em apenas 08 anos (de 2006 a 2014) as praças PM/BM receberam 395% de aumento salarial, o que corresponde a mais de 40 % ao ano, temos de reconhecer que o governo do Pará concedeu a essa categoria um SUPER AUMENTO.

O grande paradoxo é que, segundo a nota oficial do governo, esse aumento foi obtido porque o círculo das praças teve o seu soldo atrelado ao salário mínimo vigente no país que, em 2006 era de 350 reais. Ora, se o soldo das praças teve 395% de aumento, nesse período, por estar atrelado ao salário mínimo nacional, porque este salário, no mesmo período, não teve um índice de reajuste nem perto do que foi concedido às praças paraenses?

Por outro lado, no afã de desconstituir as reivindicações das praças militares, o governo não percebeu que, ao afirmar tão estratosférico índice, 395%, denunciou-se a si mesmo, tornando público que no funcionalismo estadual existe uma categoria bem aventurada, posto que, certamente, nenhuma outra recebeu tão generosos aumentos salariais. Se elas atentarem para essa DISCRIMINAÇÃO SALARIAL, faltarão vias a serem interditadas para tantos servidores insatisfeitos.


Somente o desespero de um governo desorientado pode justificar essa cifra megalomaníaca anunciada em cadeia estadual de televisão. O certo é que os cálculos não batem. Se batessem a categoria de soldado PM/BM seria uma espécie de PLUTOCRACIA FARDADA do serviço público paraense e a atual manifestação da categoria não passaria de um escárnio com o povo do nosso Estado. 

Um comentário:

  1. Professor so me restou uma dúvida: se a categoria de praças recebe reajuste do soldo na mesma proporção e periodicidade que o salário mínimo, esta solicitação de reajuste junto com os Oficiais seria um segundo reajuste no mesmo ano, ou não? E outra, se vencerem esta guerra não correm o risco de não ter mais o soldo reajustado junto com o sal mínimo, o que no médio e longo prazo seria bem pior? Desde já agradeço o esclarecimento.

    ResponderExcluir