sexta-feira, 27 de setembro de 2013

A Universidade Federal do Pará (UFPA) e o princípio da “DESISONOMIA”.


Segundo notícia veiculada no jornal “Diário do Pará” de 26/09, quinta, a Universidade Federal do Pará (UFPA) adotará integralmente a nota do Exame Nacional do Ensino Médio – ENEM para fins de ingresso naquela instituição de ensino público. O exótico da decisão, referendada pelo Conselho Superior de Ensino Pesquisa e Extensão (CONSEPE) da entidade, foi o acréscimo de 10% em cima da pontuação total para o candidato da Região Norte que disputar uma vaga na instituição.

Embora colegiada, a decisão de acrescentar 10% de bônus para o pessoal da casa é pouco republicana, bairrista e atenta frontalmente contra o princípio da isonomia que deve regular os atos de quem lida com a coisa pública. Para melhor compreender o total anacronismo dessa decisão basta elaborarmos algumas analogias bem simples:

Imaginemos que a UFRJ determine, em sede de edital, que os alunos cariocas terão o acréscimo de 20% sobre os candidatos de outros Estados.

Imaginemos que a Receita Federal determine, por decisão interna, que os filhos dos Servidores da Instituição terão 30% de acréscimo na pontuação geral sobre os demais candidatos, em certame público para ingresso nos quadros do órgão.          

Imaginemos que o tribunal do Trabalho da 8ª Região determine, amparado por decisão de um colegiado interno, que os candidatos que não trabalham terão o acréscimo de 50% na pontuação geral em concurso público para admissão ao quadro de servidores do órgão.

Imaginemos ......

Sem mais delongas, além de irregular, esse bônus criado pela UFPA, para ajudar os “caboclinhos nortistas”, denunciam o quão inferior esses estudantes são em relação aos alunos das outras regiões do país.  

3 comentários:

  1. Professor Wolgrand:
    Parabéns pelo seu blog, feito com inteligência e couragem. Se o senhor quer saber mais sobre a ufpa procure saber do que acontece atualmente no hospital barros barreto. sou fyncionária daqui e não ´posso me identificar. a situação e gravíssima, mudou o diretor agora é o medico antonio rocha que é afilhado do maneschi (reitor). ele não entende nada de administração e mudou todo mundo das funções. o mais grave é a suspeita de grave corrupção que era feita pelo antigo diretor financeiro com aval do reitor. ano passado chamaram o auditor prof. marcos klautau, que é uma pessoa honestíssima e competente. ele fez um relatório entregou para o maneschii e se afastou porque estavam escondendo documentos e ele não podia concluir seu trabalho, mas o reitor não tomou nenhuma providencia. agora chamaram o prok klautau de novo, ele veio aqui uma semana e não aceitou continuar porque, segundo falam nos corredores o novo diretor rocha não sabe nem o que quer fazer e queria proteger as maracutaias existentes com o comando do reitor. dizem que as licitações foram aumentadas em mais de r$ 15 milh~es durante vários anos. enfim se fizerem um levantamento nas contas do hospital vai ser uma BOMBA ATOMICA DE ESCANDALO.

    ResponderExcluir
  2. Boa noite professor Walber estou com um problema semelhante em minha cidade, gostaria que me passasse seu email para que me auxilie no que tange ao caso, meu email jorcelia10@yahoo.com.br.
    Muito obrigada!

    ResponderExcluir
  3. Boa noite professor, gostaria que nos comunicassemos atraves de email, pois estou com problemas semelhante àqueles que você ofertou a denuncia ao MP referente ao Pronatec, por favor entre em contato comigo meu email é jorcelia10@yahoo.com.br.
    Muito obrigada!

    ResponderExcluir