sexta-feira, 4 de janeiro de 2013

O malabarismo contábil do Governo Federal: prenúncio de uma economia falida (Ou: "Como escamotear gastos superiores à capacidade do bolso")

Malabarismo contábil do governo leva Caixa a virar sócia até de frigorífico (O Estadão.com.br)

Para ajudar nas manobras fiscais do governo, a Caixa Econômica Federal se tornou sócia de frigorífico, fabricante...

Para ajudar nas manobras fiscais do governo, a Caixa Econômica Federal se tornou sócia de frigorífico, fabricante de autopeças, de bens de capital, processador de minério, entre outras empresas privadas. As operações foram feitas para sustentar parte da operação montada pelo governo federal para arrumar dinheiro para cumprir a meta fiscal, das contas públicas, de 2012.

O aumento de capital da Caixa autorizado pelo governo no fim de 2012, de R$ 5,4 bilhões, foi bancado em parte com ações que o BNDESPar - braço de investimentos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) - detinha em algumas empresas e repassou para o Tesouro. O restante foi financiado pela União com transferência de ações da Petrobrás.

A Caixa se recusou a informar o montante da capitalização que foi bancado por ações de companhias privadas e quais foram as empresas envolvidas. O uso das ações no processo de capitalização do banco só veio a público porque JBS (frigorífico), Romi (bens de capital), Mangels (autopeças) e Paranapanema (processamento de cobre), que têm ações negociadas na bolsa, comunicaram ao mercado sobre a saída do BNDESPar e entrada da Caixa na composição acionária.

Só nessas quatro empresas foram R$ 2 bilhões em participação acionária para a Caixa, mas o valor pode ser maior. O BNDESPar informou que repassou a União ações em 10 companhias diferentes. Além das quatro já mencionadas, estão Petrobrás (petróleo), Eletrobrás (energia), Vale (minério ), Cesp (energia), Metalfrio (refrigeradores) e Vulcabrás (calçados).

O valor das ações repassadas pelo BNDESPar a União chega a quase R$ 6 bilhões - suficiente, para bancar com sobra o aumento de capital feito na Caixa. A Petrobrás responde por mais da metade (R$ 3,15 bilhões), seguida por JBS (R$ 1,79 bilhão) e Vale (R$ 446,9 milhões).

A Caixa informou apenas, por meio de nota, que "não realizou de forma ativa nenhum investimento em participações acionárias". O movimento de ações acima de um determinado limite força as companhias a divulgar a operação como um todo para o mercado financeiro. Se a Caixa ficou com ações de outras empresas abaixo desse limite, não é obrigada a informar.

As ações repassadas à União para ajudar nas manobras fiscais correspondem a 8,7% das ações disponíveis para a venda que a BNDESPar dispunha para a venda em setembro (último balanço divulgado). A assessoria de imprensa do BNDES disse que a operação total gerou lucro, mas não informou quanto. A venda das ações do JBS, por exemplo, deu prejuízo de R$ 300 milhões, pois o BNDES comprou os papéis a R$ 7 em maio de 2011 e entregou a R$ 6 para a União.

Meta. A elevação de capital da Caixa compensou o repasse de dividendos - R$ 4,7 bilhões - que o banco fez para o Tesouro para garantir recursos para a meta fiscal de 2012. No ano passado, a Caixa repassou R$ 7,7 bilhões em dividendos. Até setembro, o banco lucrou R$ 4,1 bilhões.

Com a queda na arrecadação, o governo teve sérias dificuldades para economizar R$ 139,8 bilhões para o pagamento de juros da dívida. Por isso, fez uma conjunto de operações para gerar uma "receita extra". Ao todo, injetou R$ 19,4 bilhões no cofre. O maior montante - R$ 12,4 bilhões - veio do Fundo Soberano do Brasil. O BNDES antecipou R$ 2,3 bilhões em dividendos e a Caixa outros R$ 4,7 bilhões.

Um comentário:

  1. Olha essa aí Wolgrand, pura verdade:
    Todo início de ano que há posse de político que foi eleito no ano anterior assistimos todas as horas várias entrevistas deles no rádio, televisão, revistas e jornais. Como eles mentem o tempo todo, nas entrevistas eles ficam repetindo o mesmo jargão que disseram na campanha: “melhorar a saúde, educação, segurança, saneamento, acabar com a miséria, etc.” tudo isso com a conivência de alguns entrevistadores.
    Como ficaria uma entrevista de um político caso ele não fosse mentiroso e falasse a verdade ao povo? O que realmente ele faria e falaria depois de empossado?:
    Apresentadora: “- Bom dia Prefeito?! (poderia ser aqui Presidente, Senador, Vereador, Deputado, etc.)
    Prefeito: - Bom dia.
    Ap. – Agora que o Sr acabou de tomar posse, qual sua primeira e mais importante medida?
    Pref. - Bom, temos que primeiramente pagar a fatura dos milhões que foram investidos na campanha, ai significa que vamos agir em três frentes: nomeação desses investidores nos primeiros e segundo escalão; Direcionamento das licitações e desvios dos recursos públicos para que, nos três primeiros anos tudo esteja pago, já pensando para a campanha da reeleição; E por último deixar essas pessoas a vontade para apura, sempre lembrando o seguinte: Se descobrirem eu não sei de nada.rsrsrs
    Ap. – Na campanha o Sr falou muito em melhorar a saúde, como será feito?
    Pref. – importante sua pergunta, vamos unir o útil ao agradável. Vamos fazer algumas reformas paliativas nos hospitais e postos de saúde sempre direcionando as licitações e superfaturando os preços. Vamos comprar remédios para pressão alta, diabetes e colesterol, que são as principais doenças do povão, pois sabemos que o povo não que saber porra nenhuma de atividade física, não tem alimentação saudável, coitados, eles não tem nem onde cair mortos, rsrsrsrsrsrs, só quero que eles morram depois da eleição rsrsrsrs. Isto é, vamos dar um remedinho e pronto. Com relação a isso estamos reunindo todos os políticos para aumentarmos a cota da imprensa pra ver se ela para de bater muito no problema da saúde rsrsrsrsrs.
    Ap. – E você telespectador que chegou agora, estamos entrevistando o Prefeito que já tomou posse e fala das suas metas para a cidade. Prefeito, e a educação?
    Pref. – Educação rsrsrsrsrs não vou gastar um puto nisso, pois meus filhos estudam em colégio particular dos bons rsrsrsrsrs o povo não quer estudar, o povo quer comer e se divertir rsrsrs vou investir em grandes shows em praça pública, regado a glacial e churrasquinho de gato. O povo precisa de festa. Teremos no aniversário da cidade, no carnaval, semana santa, férias, etc etc. são tantas festas que o povo não vai nem olhar pra educação, afinal de contas muitos empresários de shows e de fazenda gastaram na campanha, teremos shows e churrasquinhos, de preferência de gato rsrsrsrsrs. É a política do pão e circo, que foi muito usada na Roma antiga.
    Ap. – Prefeito para encerrar, o Sr não tem medo de não ser reeleito falando a verdade?
    Pref. – Medo?? Quem tem medo nasce morto rsrsrs. Esse povão que está ai tem a memória muito curta, serei eleito para qualquer cargo e sabe como: Darei umas bolsinhas de ajuda e deixarei no carro algumas garrafas de álcool gel – vai ser bolsa e abraço rsrsrsrs Depois é só passar álcool no corpo pra não pegar curuba desse povão rsrsrsrs”

    ResponderExcluir